Mostre-me um exemplo TRIBUNA DE URUGUAIANA

22 de ago de 2017

Suicídio é tema da Tribuna Livre da Câmara de Uruguaiana


A importância e o funcionamento do Núcleo de Apoio à Vida de Uruguaiana (NAVIU) foram expostos na Câmara de Vereadores nesta terça-feira. No espaço da tribuna o presidente da NAVIU, general José Alberto Leal, disse que o órgão é encarregado pela gerência dos serviços do Centro de Valorização à Vida (CVV) a ser implantado no município. Durante a explanação, foram apresentados dados relacionados à incidência do suicídio. Entre eles que a cada 45 minutos morre uma pessoa no Brasil e nove em cada 10 casos poderiam ser evitados. “Uruguaiana ostenta o triste título de recordista gaúcha em número de suicídios, sendo registrados 18 casos apenas nesse primeiro semestre”, afirmou Leal.

        Também assinalou que em períodos anteriores o maior número no município foi de dez casos ao longo de um ano e frisou que após o início das atividades de divulgação no município não houve mais registros. “O sistema já recebeu 200 chamadas de Uruguaiana”, considerou.

        A respeito do CVV foram relatas as ações da entidade sem fins lucrativos voltada à prevenção do suicídio. “Partimos do princípio que o potencial suicida está no máximo do conflito pessoal e dando oportunidade ao cidadão pode-se diminuir a pressão que está sentindo. Falar é o melhor remédio”, afirmou Leal.

        O atendimento é realizado pelo telefone 188, sem custo e de qualquer telefone, ainda pelo site www.cvv.org.br via chat, skype e e-mail.

Studio na Colab55

As encrencas e a sinceridade do Gatão RJ

Studio na Colab55

21 de ago de 2017

Será? Crônica de Valéria del Cueto

Será?

Texto e foto de Valéria del Cueto

Novamente escrevo antes para publicação posterior a um eclipse. Diz que esse é poderosão e mexe até com a crosta da terra e o peso corporal das pessoas.

Coisa séria, mas não suficiente para dar um sacode nesse panorama mais enrolado que fio de arame farpado véio na hora da troca do aramado nos campos. Enquanto isso, não sabemos se partimos para dentro ou damos a volta por cima. Se ficar, o bicho pega, se correr o bicho come.

Escrevo e vejo cenas de uma operação policial no Rio de Janeiro. O que chama a atenção é a “preparação” da chegada dos meliantes recolhidos em várias comunidades cariocas. Agora, as forças policiais fazem formação e esperam o sinal de “ação” para entrarem no raio das câmeras de TV que aguardam a chegada dos apreendidos na delegacia no “ao vivo”. Tempos “mudernos”...

Em Brasília, a secura e o vento formaram um redemoinho que passeou pela paisagem do Distrito Federal. Pena que não era o de Dorothy e o Mágico de Oz não teve oportunidade de dar uma repaginada nos personagens de Brasília.

Quem seriam o Espantalho, o Homem de Lata e o Leão Covarde? Tem as Bruxas Más do Leste e do Oeste. Lembrando que a do Leste já foi pro book, mortinha da silva pela casa de Dorothy que despencou em cima dela, depois de rodopiar de Brasília, ops, do Kansas, até as terras de OZ que abrigam fadas, bruxas e outros seres mágicos. Aqui e lá, todo mundo vagueia procurando a Estrada Amarela que leva até a Cidade das Esmeraldas e ao mágico severo, mas que realiza os desejos.

Se fosse aqui, em terras brazucas, seria difícil que não houvesse, junto com nossa Dorothy e seu cãozinho Totó, não apenas quatro amigos, mas uma multidão de descerebrados, covardes e seres sem coração, seguindo a sonhadora menina. A maioria, certamente, não terá direito a clemencia, o que dirá a uma graça especial do Grande OZ...

Enquanto nosso conto de fadas não vira realidade, conviveremos com o silêncio por quatro anos das famosas badaladas de Big Ben, o relógio londrino (que, por coincidência, ou não, parou de badalar regularmente ao meio dia do dia do eclipse total). Quem ouviu, ouviu, quem não ouviu terá mais dificuldades em fazê-lo no decorrer do período.

Uma reforma milionária e meticulosa de suas engrenagens só o fará soar em ocasiões especiais como o réveillon informam os austeros e precisos porta-vozes ingleses aos meios de comunicação.

Sem querer fazer premonições, sinto que seu silêncio será quebrado em outras ocasiões menos festivas e mais necessárias. O mundo não está para brincadeiras e nem para deixar sossegados seus símbolos mais significativos. Vamos aguardar e ver quais serão os motivos que farão o velho relógio soar seus badalos até 2021. Está aí um bom motivo de apostas nas famosas bolsas londrinas.

Voltando ao sumiço do sol, o Apocalipse de São João informa que esse eclipse seria o princípio do fim do mundo. Captou a mensagem? É só o princípio...

Diante dessa auspiciosa semana, vou ali fazer ginástica e dar uma meditada no horário do fenômeno que é para me certificar que esta leveza lunar auxilie meu esforço atlético.

Afinal, com o quadro acima descrito, é preciso ter pernas para parar o mundo e, quando dele conseguir descer, correr para o mais longe que puder! É perna do mundo e não no mundo, para sumir, como cantou Gonzaguinha.

Se não corporalmente, em espírito. De luz, de preferência, para fazer desse um momento sério (como de fato é), mas cheio de esperanças. Que possamos almejar com a leveza do nosso corpo e o magnetismo “eclíptico” tempos melhores num futuro não tão distante. Pior que está... o que será?

*Valéria del Cueto é jornalista, fotógrafa e gestora de carnaval. Essa crônica faz parte da série “Arpoador” do SEM   FIM...  delcueto.wordpress.com
Studio na Colab55
Studio na Colab55

O Gatão e as dúvidas do que seria somente para ele - Miguel Paiva RJ

Studio na Colab55

20 de ago de 2017

Lendas urbanas e suburbanas sobre a evolução das eleições 2018 área Uruguaiana

A Rádio Corredor está no volume máximo neste final de semana. 
Nas hostis pepistas versa que Ronnie Mello seria candidato à deputação estadual; Fredericio subiria um degrau e concorreria a Federal e ocupando o espaço na área deixado pelo desgastadíssimo Luis Carlos Heinze - candidato ao Piratini. 
Mas, sabem como é: rádio corredor - é rádio corredor.
*Não acreditamos em tudo, mas não duvidamos de nada! 

Studio na Colab55