Mostre-me um exemplo TRIBUNA DE URUGUAIANA

1 de mar. de 2021

O preço do silêncio - crônica de Valéria del Cueto



O preço do silêncio

Texto, foto de Valéria del Cueto

O silêncio vale ouro, diz o ditado, e a gente sempre pesa e pensa na ausência das palavras. Ultimamente, talvez por conta da pandemia, a frase adquiriu outro sentido. Muito mais amplo.

O ruído é tanto (e não é o Manifesto), que um momento de silêncio vale grafeno. Sabe o que é? O nanomaterial de carbono puro, (como o diamante) que é leve, condutor de eletricidade, rígido e impermeável.

O silêncio anda assim, tão excitante como o cristal mais fino conhecido, com utilidades em campos tão diversos como a dessanilização e purificação da água do mar e a redução de emissões de CO2. Sensores biomédicos poderão detectar doenças, células solares flexíveis e mais transparentes captarão energia. Ao ser adicionado a materiais de construção civil os torna mais leves e resistentes.

Tudo isso pode parecer distante do cotidiano. Mas e se o nanomaterial chegar aos cosméticos com sua pulverização na coloração dos cabelos? E na mobilidade urbana, com sua aplicação nos pneus e a fabricação de quadros de bicicleta que pesem 350 gramas?

O silêncio passou a ser tão valorizado quanto o grafeno! Enquanto todo mundo berra e grita, as obras martelam, quebram, esmerilham e calam os passarinhos prisioneiros das gaiolas do sétimo andar, as TVs, celulares, o “cinco, quatro, mais uma, três, dois, tá quase lá, ummm” da ginastica online do vizinho, o som das lives, dos filmes, das aulas, da porra da vida que passa.

O silêncio vale grafeno e o povo se esgoela pelos combustíveis fósseis...   

Passei a persegui-lo, o silêncio, como um prêmio. Tentei a madrugada, com quem tenho afinidade. Descobri que ele não existe e fica mais difícil no verão. Dezenas de aparelhos de ar condicionado habitam o meu quadrado. De um lado, do outro, em frente, em cima, embaixo... Tá tudo dominado pelos roncos dos motores, alguns desregulados. Nem os miados do gato do andar de baixo são capazes de superar a barreira do ronco de concreto dos aparelhos mal aparafusados e trepidantes, ainda sem a tecnologia fantástica do grafeno.

Os únicos com possibilidades de quebrar a barreira da monotonia monocórdia e calorenta são os latidos estridentes e histéricos do cachorro da vizinha que vem do alto, mas não muito. Mas ele prefere dar seu showzinho já de manhã, quando os ares já começaram a ser desligados. E nos acordar, claro. A mim e aos vizinhos, porque aqui ninguém larga a mão de ninguém. Tá todo mundo na mesma vibe, isso antes das obras enlouquecidas da pandemia. Virou sinfonia!

Sem o dia e a calada da noite o que resta? Trocar o quarto pela sala que dá para um espaço mais amplo e menos interno, apesar de ser de fundos. E apelar para o amanhecer.

A virada mais difícil para quem, como eu, gosta de atravessar a noite. Mas como ir dormir quando a batucada começa cedo e termina lá pela hora do chá? Das cinco da tarde...

Temos mais um esforço indesejado, porém necessário.

Achei o silencio por poucas horas, entre às seis da matina e o início da aula de ginástica e o “três, dois, um” online de um vizinho abusado e sem desconfiômetro que geme e bufa a cada movimento. Antes, pra saber que há vida na terra, se manifesta animadona a arara da casa da vila que tem a mangueira e outra árvore gigante que anima e esverdeia a coleção de janelas da parte interna do quarteirão.

E sim ele vale grafeno. Ver o nascer do dia se colorindo, no céu cercado de janelas adormecidas em Copacabana, em silencio total, custa caro para quem não gosta de acordar cedo.

E não tem preço quando a gente não sabe viver sem ele...

*Valéria del Cueto é jornalista, fotógrafa e gestora de carnaval. Da série “Arpoador” do SEM FIM... delcueto.wordpress.com

Studio na Colab55

13 de fev. de 2021

SILÊNCIO NA PISTA


Nem um surdo de marcação cruzará a Sapucaí. Calaram o povo no solo sagrado do samba


SILÊNCIO NA PISTA

Texto e fotos de Valéria del Cueto

Nem um surdo de marcação cruzará a Sapucaí. Calaram o povo no solo sagrado do samba

Não dá para precisar a quantidade de vezes que esse texto carnavalesco foi ensaiado. Como deixar de lado uma tradição de décadas, iniciada e mantida nas capas exclusivas do Caderno Ilustrado, no Diário de Cuiabá, distribuídas entre os parceiros pelo Brasil?

Ano passado nesse mesmo momento da criação, enquanto escrevia “O CARNAVAL DO PLANTETA FOME” contando o que aconteceria no Sambódromo da Marquês de Sapucaí em 2020, pensava em mudar o formato das dicas das escolas de samba do Grupo Especial que compõem a matéria de capa para o “próximo carnaval”. Achava (que ingenuidade) que caberia a apenas um rasgo de criatividade o sacode na abordagem da folia.

Apesar da Covid-19 já estar oficialmente apresentada ao mundo, a preocupação era com a falta de incentivo, estrutura e visão ecumênica do bisprefeito Crivella que conseguiu, entre outras proezas, acabar com a confraternização do povo do samba nos ensaios técnicos que antecediam a disputa. Era desses encontros pré-carnavalescos que saíam as fotos para ilustrar o material sobre os desfiles das escolas de samba do Grupo Especial do Rio de Janeiro! A falta deles criava um hiato na preparação da festa e um desafia para selecionar as imagens.

VENTANIA

O que ninguém poderia prever é que, um ano depois, esse problema deixaria de existir porque não haveria desfile no palco da maior manifestação cultural popular do planeta. Como outros grandes eventos no mundo, ele seria cancelado.

Por conta da pandemia, primeiro se tentou um adiamento.  A festa invadiria o calendário dos santos juninos nas férias de julho(?). Sem verbas nem para pagar o 13 salário dos funcionários da prefeitura do Rio, com as incertezas do fornecimento das vacinas, sem patrocínios à vista e, considerando a paralisia econômica quase geral, a ideia foi abortada. O carnaval ficou para 2022.

Nesse meio tempo cada um se virou como pôde. Uns com mais protocolos, outros sem maiores cuidados. Foram muitas as perdas no mundo do carnaval. Sem direito a gurufins, as festivas cerimônias de despedidas que todo sambista almeja.

2017, a águia campeã da Portela

TEMPESTADE

Já no início da crise as escolas se movimentaram produzindo máscaras e uniformes, arrecadando alimentos, distribuindo cestas básicas. Para chegar ao público, as LIVES se transformaram em veículos de expressão musical, cultural e canal de captação das doações. Foi a fase do “não deixe o samba morrer”. O auxílio emergencial e a Lei Aldir Blanc permitiriam uma ponta (tardia) de esperança aos milhares de artesãos e trabalhadores da indústria da folia. No início…

Com o passar do tempo o que se vê é muita reclamação (justíssimas) e pouca ação efetiva. A maioria das escolas correu atrás do prejuízo para não “enrolar a bandeira” reduzindo drasticamente os quadros de funcionários. Era isso ou encerrar as atividades.

Para aumentar a crise, a Cidade do Samba que abriga os barracões do grupo de elite do carnaval carioca foi interditada. O poder público nas esferas federal e estadual tem feito seu papel de não ajudar a sanar a maior crise carnavalesca do milênio. Tirando o prefeito Eduardo Paes que promete editais de apoio ao setor, a festa está entregue aos seus, que pouco podem fazer e focam esforços em manterem os projetos sociais junto as comunidades.

Squel Jorgea, ícone da Sapucaí no campeonato de 2016 da Mangueira.

PROGRAMAÇÃO

No meio dessa desordem, o jeito é improvisar. E, com isso, carnavalizar. Se consideramos o princípio básico da manifestação cultural e usando as armas que tem, o samba vai fazer sua festa pelos meios virtuais, oficialmente. Do Viradão do Carnaval Verde e Rosa, que promoverá (de um lugar secreto para que não haja aglomeração), as eliminatórias da escolha do seu samba enredo para o ainda incerto carnaval 2022, à reprise (com comentários e depoimentos) de desfiles campeões da Portela e da Imperatriz, por exemplo. Correm por fora as programações de outros projetos, caso Boi com Abóbora que selecionou, com a ajuda do público, 14 desfiles inesquecíveis e, após as apresentações na íntegra com comentários, faz o julgamento do “super campeonato”.

A Globo quase fez a alegria dos apaixonados por carnaval ao anunciar a exibição de desfiles memoráveis, segundo a curadoria da emissora. O quase é por conta da descoberta que as escolas cariocas e paulistas se apresentarão nos dois dias em programas de uma hora e meia. Tudinho. Só dá para uma passada de samba por escola, acredita?

A pista do samba: espaço de conquistas, críticas e reivindicações.

OCUPAÇÃO

E a Sapucaí? Vazia. Se os sambistas ficarão com os olhos compridos de desejo e saudade para o templo do carnaval, o mesmo não se pode dizer da conceituada artista plástica paulista Flávia Furtado. É dela a instalação que ocupará com balões e serpentinas a praça da Apoteose na terça-feira de carnaval.

A mesma permissão não foi dada à proposta do Museu do Samba. A instituição carioca sugeriu que, como todos os anos, fosse feita a tradicional lavagem da Sapucaí. Algumas baianas para benzer a pista e um casal de mestre-sala e porta-bandeira desfilariam ao som de um único surdo firmando o axé no território sagrado do samba.

A iniciativa foi rejeitada pela Secretaria Municipal de Cultura. Poderia haver aglomeração? Para evita-la bastaria não anunciar previamente sua realização.

Assim como os moradores, ilhados na cidade ocupada por turistas que ignoram as medidas de prevenção a Covid-19, os sambistas cariocas verão seu espaço de fala ser palco para a arte. A que eles próprios não podem expressar. Aquela, em que são inigualáveis.

O que os fazem persistir e lhes dá esperança? Apenas ecos de suas próprias vozes que dizem: “Quem nos vê sofrendo, não perde por esperar, ainda há de nos ver festejar!”. Ano que vem o samba riscará novamente seu chão. Evoé, Momo!  

* Outras iniciativas merecem destaque, as lives de Maria Bethânia, o cine-debate do Museu do Samba, as iniciativas de blocos, como O Cordão do Bola Preta, e do Jornal Ritmo Carioca que retransmitirá os desfiles da Intendente Magalhães, onde as escolas que sonham em chegar a Sapucaí se apresentam. Mas o recorte da matéria é o Grupo Especial e o maior carnaval do mundo e ele acontece no templo do samba…

*Valéria del Cueto é jornalista, fotógrafa e gestora de carnaval. Da série “É carnaval”, do SEM   FIM…  delcueto.wordpress.com

A comissão de frente que paralisou as arquibancadas da Paraíso do Tuiuti, 2018

Opções para curtir o carnaval no youtube
*Horário de Brasília.
Mangueira – 14/15/16 de fevereiro, 15h
“Viradão do Carnaval Verde e Rosa” – Eliminatórias da escolha do samba. 17 sambas em cada dia. Seguem 8 de cada chave.

Portela – 13/14/15/16 de fevereiro, 13h
Sáb – 1980 – “Hoje tem Marmelada” com comentários,
Dom – roda do Samba dos Crias, sambas históricos
Seg – 1984 “Contos de Areia”
Ter – 2017 “Quem nunca sentiu o corpo arrepiar ao ver esse Rio passar…”

Imperatriz – 14/15, 19h
Dom – 1987 “Estrela Dalva”
Seg – 1995 “Mais Vale um jegue que me carregue do que um camelo que me derrube lá no Ceará”.

Boi com Abóbora – 12/13 fev, 21h.
Desfiles preferidos do público numa disputa pelo título de 2021.

Museu do Samba – 15 fev, 17h
Cine-debate sobre o documentário “Kizomba – 30 anos de um grito negro na Sapucaí”

Bethânia – 13 fev, 22h
Globoplay com transmissão aberta

Studio na Colab55

2 de fev. de 2021

Depois do amanhã - crônica de Valéria del Cueto


Depois do amanhã

Texto, foto de Valéria del Cueto

Estamos no ponto mais alto do triplo mortal carpado no trapézio. Sem rede de proteção. A distopia é aqui na porta ao lado. Quem somos nós para reconhece-la dentro do nosso próprio quadrado? Entramos no segundo mês do ano. Como se o carnaval, já cancelado na prática, mas fervilhante em nossos corações, fosse loguinho ali.

Temos tudo, nesse nada sem sentido em que vegetamos. Dos grandes fatos aos pequenos atos quem somos nós nessa contradança? O nada combinado com o lugar nenhum. Somando, dividindo, subtraindo e multiplicando vamos levando a aritmética incorreta do dia a dia da pandemia. Aquela que assusta no âmbito geral e provoca um efeito inverso no individual. Todo mundo sabe que a ordem dos fatores altera o produto, o que não impede o “queroomeu” de sempre dando cartas de mão no pano não tão verde da humanidade.

O caos é aqui. Os sinais são bem claros, a gente é que não tem olhos para ver. O primeiro deles, no meu caso, é o local e o horário que saquei a caneta e abri o caderninho. São seis e meia da manhã da primeira segunda feira de fevereiro. Escrevo no chão da sala com o sol invadindo, ainda tímido, os tecidos de voil e a renda delicada da cortina que protege as plantas.

Ao meu lado o tomateiro informa, pela alegria serelepe de suas folhas que tremulam no ritmo preguiçoso da brisa passeando pela janela recém aberta que, apesar da falta de chuvas nesse janeiro esturricado, houve uma evolução sensível e visível a olho nu no jardim suspenso da pandemia.

Ao lado dele, uma rosa cor de rosa bem antigo desabrocha no vaso em que uma espécie desconhecida e com folhas de cheiro forte se desenvolve animadona. Tirei uma foto da mudinha virando arbusto abusado e o google indicou que pode ser um pé de Dama da Noite. Achei um pouco diferente dos “modelos” similares apresentados pelo sábio da Inteligência Artificial. Tenho a impressão que as folhas são mais lustrosas. As do vaso parecem ser, se não aveludadas, como a do pezinho de tomate, menos rígidas e “polidas”.

O sol que tomo todas as manhãs produz o tom moreno, quebra o tom esverdeado do isolamento na minha pele e pode ser reverenciado no desenvolvimento progressivo das plantas (inclusive eu, a ameba mor). Agora está forte e, caso não tomemos os devidos cuidados, deixará suas marcas. Isso me leva a mudar constantemente de posição. O caderninho me guia. E também ao meu corpo como um todo para evitar aquelas marcas nas dobrinhas, garantindo um bronzeado equilibrado. Igual a quando escrevo as crônicas nas Pontas, do Leme ou do Arpoador num verão qualquer.

Onde quero chegar? A nossa incrível e perigosa capacidade de adaptação, quase sempre inconsciente. A que nos faz acordar de madrugada num primeiro de fevereiro (amanhã é dia de Iemanjá), num ano sem carnaval, depois de um final de semana clássico com muito calor (chuvas por aqui, só se for de bençãos, pra quem acredita), praias lotadas, arrastões e variantes inclassificáveis das novas cepas se beijando nas bocas turísticas de Ipanema e outros points.

Não, não está pouco. Nem essas informações traduzem um retrato fiel do que nos aguarda, além da lentidão na vacinação contra a covid-19. O radinho que está desligado informa os movimentos de mais uma greve de caminhoneiros anunciada, ainda hoje decidirão os comandos do parlamento brasileiro. Mas, antes, Rodrigo Maia poderia até pautar o impeachment de Bolsonaro no Congresso Brasileiro, enquanto da miúda Myanmar o amigo desconhecido avisa sobre o último golpe de estado de um outro lado do mundo. Que não é aquele onde milhares de manifestantes são presos ao protestarem contra a prisão de um oposicionista ao regime, no caso, o russo.

O dia mal começou. Eu aqui, entre rosas, azaléas, tomateiros, hortelãs e mudinhas de pimentões. Observo o passarinho que borboleteia no pé de camélia que nunca deu flor. Agora, torro as cascas de bananas e jogo moída na terra. Diz que a ausência de flores é falta de potássio. Só saberei o efeito na próxima primavera. Enquanto converso com ela reparo que já dá pra ver uma mudança nos brotos das novas folhas que explodem nas pontas dos galhos. As flores, só o futuro dirá se resistirão ao inverno que (ainda) está por vir....      

*Valéria del Cueto é jornalista, fotógrafa e gestora de carnaval. Da série “Arpoador” do SEM FIM... delcueto.wordpress.com

19 de jan. de 2021

Dobra do tempo - crônica de Valéria del Cueto


Dobra do tempo

Texto, fotos de Valéria del Cueto

Cronista do raio de luar. Fui! Porém por motivos alheios a nossa vontade eis-me, mais uma vez, usando a lua para alcança-la na janela. Depois do último contato achava que nos encontraríamos em circunstâncias muito diferentes...

A vida, nem a da terra, nem em lugar nenhum da Via Láctea, ou adjacências, quis assim. Como aprendi com você, fazer o quê? Ter paciência, malemolência e tocar o barco é o que nos resta.

Como disse, fui! E você era a próxima. Nos dias que os planetas quase se beijaram de tão próximos ao por do sol, pouco antes do Natal, finalmente minha espaçonave teve impulso e rompeu a atração que me agarrava aqui. Era um momento único, uma chance imperdível e, claro, aproveitei para picar a mula em direção ao infinito.

Querida amiga, estava tudo pronto para sua partida. Sei que você entendeu a ausência das mensagens por quase 2 meses como um sinal do que viria a seguir.

A abdução estava selada, carimbada e avaliada. Era só questão de pegar carona na cauda do cometa para busca-la. Só que os acontecimentos no planeta se precipitaram. Diante do que foi registrado no comando central interplanetário fui requisitado para, com o conhecimento adquirido com sua ajuda nas longas conversas pela fresta de luar no seu exílio voluntário do outro lado do túnel, ser observador da chacoalhada generalizada que sacode o equilíbrio terráqueo.

Tentei deixa-la fora desse enredo apressando sua vinda para o lado de lá. Fui voto vencido. Chegaram à conclusão que, mesmo isolada na cela, seus delírios têm mais sentido e servem como força auxiliar na compreensão dos acontecimentos recentes e vindouros.

Os primeiros, passo a relatar para coloca-la (um pouco) a par do que nos espera.

Já voltei há alguns dias, a tempo de ver um homem de chapéu de touro sentado na presidência da Câmara dos Deputados da maior nação democrática do mundo após o Capitólio ser invadido, qual o Império Romano, por uma horda de bárbaros, sem que houvesse uma reação capaz de conter a turba. Com o quase ex-presidente Trump, depois de achar que era o dono da bola, incentivando o distúrbio. No momento está “impeachmado” na Casa e em via de ser julgado pelo Senado, para começar. Ele ajudou a colocar em risco a segurança das três autoridades máximas da sua cadeia sucessória.

O que temos com isso e por que foi suspenso o projeto de abdução, você se pergunta? Ocorre que, justo nesse momento e por causa dele, finalmente os sinais de nossas passagens pelo planeta se tornam públicos e notórios ao serem oficialmente reconhecidos pelas autoridades locais.

Resumindo: estou na comissão de frente da delegação de observadores interplanetários e você aí, isolada, é fonte, intérprete e analista dos fatos, numa parceria que garante sua retirada imediata, caso a situação continue se agravando.

Palavra de Pluct, Plact com aval da cúpula da missão. Você será nossa Mônica Calazans, a “cobaia” e primeira a ser vacinada contra a Covid-19 no Patropi. Sim, avoada cronista. Entre negação, brigas, impropérios e quase convencendo parte da população que a terra é plana, depois de 51 (o número lembra algo?) países entramos na corrida da vacinação. Tem maluco dizendo que quem se vacinar pode “virar jacaré”, acredita?

É justamente esse povo doido (louco por uma morte horrorosa e inglória) que desafia a sensatez e se aglomera como se não houvesse amanhã por praias, bares e festas por aí. O vírus? Não quer brincar de esconde-esconde e ataca pra valer. Estamos, mais uma vez, não na beira, mas enterrados numa gigantesca, cruel e agressiva onda de mortes, agora, inevitáveis. Um genocídio programado para dizimar populações inteiras. Manaus está aí, sem oxigênio para doentes, cavando covas e servindo de (mau) exemplo para o mundo. O general da logística envia “kit preventivo” para lá.

Me ajuda a explicar atitudes como essa para os seres superiores, cronista. Como?

Precisamos de você! Felizmente aí, onde está. Isolada, lúcida e iluminada para ajudar, não a decifrar (é impossível, sabemos), mas traduzir o que move a alma humana além do desprezo pelo seu próximo e a crueldade com que o destrói. Mandarei todas as informações que obtivermos. Vamos precisar de argumentos sólidos e consistentes para evitar uma punição severa e exemplar no julgamento final nas cortes intergalácticas. Final, eu disse!

Sua passagem está garantida sem barulho ou publicidade, como combinamos. Aguardemos os acontecimentos. O dia de São Sebastião, 20 de janeiro, ficará na história. Como uma dobra no tempo.

O que virá depois? Os deuses dirão...

Do seu, Pluct, Plact.

*Valéria del Cueto é jornalista, fotógrafa e gestora de carnaval. Da série “Fábulas Fabulosas” do SEM FIM... delcueto.wordpress.com


Studio na Colab55

25 de nov. de 2020

O voto e o veto - crônica de Valéria del Cueto


O voto e o veto

Texto, foto de Valéria del Cueto

Alô, base. Aqui Pluct Plact em mais um relatório.

Esse não é para você, cara cronista voluntariamente distante desse redemoinho invertido que rodopia afundando tudo que nele se enreda. Entendeu a imagem? Explico.

Aqui não é o Kansas, nem esse desastre recorrente vai te levar, qual Dorothy Gale, pelos ares com seu cãozinho Totó para desabar na terra dos munchkins. Nem, como lá, a casa voadora cairá em cima da Bruxa Má do Leste, esmigalhando a malvada...

Por essas bandas quando se é pego pelo tornado a saída não está no alto, mas mais embaixo. Dele, o buraco, é quase impossível escapar. Não tem Glinda, a Bruxa do Norte, para dar sapatos mágicos, nem amigos para trilharem cantarolando o caminho dos Tijolos Amarelos. Muito menos Cidade das Esmeraldas... Apesar de, sim, termos um Mágico de Oz e tudo que isso implica.

Estou tentando (eu disse tentando) destrinchar os últimos acontecimentos. Sem muito sucesso, confesso.

Só agora, por exemplo, o moço do topete laranja que comanda o maior país do mundo resolveu considerar levemeeente a hipótese de que pode ter perdido a disputa eleitoral para seu concorrente no início de novembro. Eu disse considerar a hipótese porque, como a esperança que é a última que corre, Trump está na base do “daqui não saio, daqui ninguém me tira”, dificultando a transição e acreditando que no dia da votação dos delegados algo inédito poderá acontecer. Como os democratas votarem nele!

Só agora... por mais incrível que pareça, dizem que a energia voltou ao Amapá, depois de 22 dias de escuridão, apagão, vaias, revolta e muita gente dizendo que o filho feio não era seu.

Só agora... descobriram milhões de doses de testes da malfadada Covid-19 perdendo a validade num galpão do Ministério da Saúde, em Guarulhos.

Como explicar o que dizem por aí aos colegas interestelares? Que o General alçado à chefia do Ministério chave por sua expertise em logística não corrigiu (dado aqui o benefício da dúvida, acho que ele não sabia o que havia no seu quintal) a falha na aquisição dos cotonetes de haste longa para a realização dos testes? Não acredito nessa possibilidade. E para explicar que tem mais testes perdendo a validade do que TODOS os que já foram aplicados no país?

É isso que você está lendo, cronista. Nunca foi tão pertinente sua disposição de se isolar nessa cela apenas frequentada por um raio de luar. Sabe por que? Porque a pandemia não dá trégua e o FICA EM CASA que todos os agentes de saúde bradam parece não fazer parte do reduzido (e agressivo) vocabulário do brasileiro em geral. Ele não sabe somar dois mais dois para chegar aos números assustadores da pandemia, nem tem tempo de aprimorar seu conhecimento literário. Afinal, quem aprende alguma coisa depois de partir dessa para melhor quase sem chance de repescagem?

Para completar, o tornado que enterra e passa por aqui se chama eleição. O segundo turno, especialmente. O momento em que o voto é essencial, mas perde sua beleza porque passa a ser veto. Quando o povo vai às urnas não para escolher o melhor, mas para impedir que o pior chegue lá. Não se discutem propostas nem programas! O que valem são as alianças, por mais espúrias que sejam, para garantir um “aqué” ou uma vantagem ali na frente.

É um processo em que não se constroem sonhos ou discutem soluções. Parece que o único meio de chegar à vitória é destruindo a reputação do oponente...

Finalizo com uma reflexão baseada num de seus “amores”, o carnaval. Marginalizado, suspenso e a priori transferido pelas “ôtoridades” para julho de 2021.

Você vai gostar e, talvez, até botar seu narizinho pra fora disfarçada de Colombina. Cheguei a conclusão que Dona Coronga é uma foliã. Se considerarmos a festa uma manifestação que subverte a ordem (como a descrevem os teóricos e estudiosos), a Covid-19 está fazendo seu papel! 

Em fevereiro acabará com as cordas cantadas no samba Plataforma de João Bosco e Aldir Blanc e o famigerado “caderno de encargos” do quase, quem sabe, prefeito Eduardo Paes, numa só tacada.

E, é claro, não haverá como impedir o povo de ir às ruas, nem que seja no Bloco do Eu Sozinho, assim como é o momento de colocar o voto na urna. Mais carnavalesca impossível.

Uma pequena réstia de luz no fim do túnel? Só mesmo aí na sua cela, onde o raio de luar nunca falha se o céu estiver claro...    

*Valéria del Cueto é jornalista, fotógrafa e gestora de carnaval. Da série “Fábulas Fabulosas” do SEM FIM... delcueto.wordpress.com

Studio na Colab55