Mostre-me um exemplo TRIBUNA DE URUGUAIANA: Delação premiada, por Gabriel Novis Neves

19 de dez de 2014

Delação premiada, por Gabriel Novis Neves

Delação premiada 
Paulo Roberto Costa, ex-diretor da Petrobras, optou pela delação premiada para diminuir seus anos de cadeia pelos crimes cometidos contra o erário público. 
Na Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) do Congresso Nacional repetiu tudo que dissera à Polícia Federal do Paraná. 
A mais chocante das suas revelações, já do domínio público, foi a afirmação de que trinta e cinco políticos estiveram envolvidos no assalto à nossa principal estatal. 
Acrescentou que as irregularidades cometidas na empresa de petróleo acontecem no Brasil inteiro onde existam obras do governo - das rodovias às hidrelétricas. 
Todo brasileiro desconfiava da roubalheira, mas o poderoso ex-diretor generalizou o deslize ético, deixando como suspeitos todos os políticos e empresas desta nação. 
Isso veio corroborar com a declaração do advogado do doleiro encarregado das operações financeiras para a quadrilha quando disse que, por menor que seja o município brasileiro, não se assenta um paralelepípedo sem pagamento de propina. 
Assim nasce o famoso custo Brasil, que é o encarecimento e a péssima qualidade das nossas obras. 
A limpeza para salvar o Brasil da corrupção institucionalizada tem que ser ampla e irrestrita. 
A pergunta que os pagadores de impostos fazem: - haverá vontade política para colocar os interesses nacionais acima dos pessoais?
O governo tem a faca e o queijo na mão para executar essa assepsia e promover mudanças urgentes e necessárias respeitando o estado de direito. 
Diz um provérbio português que “A última gota d’água faz transbordar o copo”. Só um entendimento entre os três poderes da República e a sociedade civil pode evitar que o copo transborde. 
Ou tomamos uma decisão drástica e imediata ou teremos de conviver com as consequências de uma inundação de insatisfações e indignações até que tenhamos o mesmo destino do Titanic. 

Nenhum comentário: