Mostre-me um exemplo TRIBUNA DE URUGUAIANA: Bomba atômica, por Gabriel Novis Neves

27 de ago de 2015

Bomba atômica, por Gabriel Novis Neves

Bomba atômica
Há setenta anos o mundo observava incrédulo o lançamento da primeira bomba atômica sobre a cidade de Hiroshima, com a morte imediata de cem mil pessoas e a destruição genética progressiva de outras oitenta mil.
Os sobreviventes tratavam uns aos outros como queimados comuns, já que eram desconhecidos os efeitos da radioatividade em longo prazo. Foram necessárias décadas para avaliar os efeitos nefastos de tamanha insanidade.
A irradiação de medo e de perplexidade se espalhou pelo mundo inteiro.
Segundo autoridades americanas a barbaridade era necessária para por fim à Segunda Guerra Mundial, que se arrastava há longos sete anos.
Entretanto, estabeleceu-se um precedente ético grave. Três dias após, é lançada outra bomba em uma nova cidade japonesa, Nagasaki, matando outras oitenta mil pessoas.
Apregoava-se a necessidade do fato que pouparia a vida de quinhentos mil americanos, já que ataques sucessivos dos chamados “kamikazes” (fieis adeptos do imperador japonês que aceitavam jogar os próprios aviões para destruir navios americanos) já haviam destruído dezoito navios da Marinha de Guerra americana.
Tudo muito questionável, pois, segundo todos os comentaristas políticos da época, a situação japonesa já era de rendição total.
Eu pessoalmente tenho muita dificuldade para explicar tamanha barbaridade em nome de possíveis ataques futuros de um país já totalmente combalido. Entretanto, a lógica da guerra não é a lógica da razão.
O fato é que a rendição japonesa foi fundamental para o término da Segunda Guerra Mundial, uma das maiores catástrofes da humanidade.
Nunca mais as relações entre as nações seriam as mesmas.
Atualmente apenas oito países no mundo detêm a posse da bomba atômica.  Inúmeros são os esforços de alguns países para deter essa corrida nuclear, de uma forma efetiva ou não.
Pena que não aprendemos nada com as tragédias e continuamos matando milhares de pessoas diariamente através do abandono e da miséria, e isso parece que não impacta muito a maioria das pessoas. 
Com certeza, não podemos mesmo ser chamados de seres racionais, tamanho é o nível de violência que adotamos como comportamento.
O ser humano continua inviável, lamentavelmente.

Nenhum comentário: