Mostre-me um exemplo TRIBUNA DE URUGUAIANA: Quem aposta, por Gabriel Novis Neves

4 de jan de 2016

Quem aposta, por Gabriel Novis Neves

Quem aposta
Acredito que a única justificativa para aqueles que não são viciados em jogos de loteria fazer uma “fezinha” todas as quartas e sábados, seja a de acreditar no acaso.
Apostar na Mega-Sena, onde a possibilidade de acertar é de um para cinquenta milhões, significa ser adepto do imenso grupo de pessoas que tem a sorte como um dos seus mandamentos.
Especialmente um sorteio que há anos vem criando suspeitas no Congresso Nacional sobre a sua lisura, sendo apresentado dado substancial pelo Senador Álvaro Dias do Paraná, que solicitou a constituição de uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI).
Até hoje reinam grandes suspeitas com relação ao peso das “bolinhas da sorte” para resultados programados.
Não sei jogar cartas nem jogos de cassino, mas, como ideologicamente acredito na sorte, fiquei condicionado a fazer dois jogos por semana na Loteria da Caixa Econômica Federal, o que significa uma despesa extra de catorze reais.
Interessante que fazemos o jogo sabendo de todas as dificuldades e que a possibilidade de acerto é apenas um sonho. Satisfeitos ficamos quando sabemos que ninguém acertou.
O que me chama a atenção ultimamente é o número de prêmios acumulados. 
Quando esses jogos foram iniciados os vencedores eram mais frequentes. Será que existe também alguma explicação para este fenômeno?
Dezembro foi um mês de acúmulos de não acertadores, fechando com o superprêmio da Mega-Sena da Virada.
Enfim, ludibriados ou não, vamos mantendo a esperança em alguma coisa que possa nos devolver a perspectiva de algum tipo de futuro, já que aquele que nos é apresentado pela nossa classe dirigente é dos mais sombrios.
Nada mais promissor que cultuar uma longínqua esperança de ganhar um superprêmio do Papai Noel!

Nenhum comentário: