Mostre-me um exemplo TRIBUNA DE URUGUAIANA: Farsa, por Gabriel Novis Neves

25 de out de 2014

Farsa, por Gabriel Novis Neves


O processo da escolha dos nossos governantes, passou a ser mais uma farsa rotulada de democracia. Afinal, democracia é um governo do povo, para o povo e pelo povo.
Realmente temos um executivo, um legislativo e um judiciário, conforme mandam as regras para o exercício de uma plena democracia.
Lamentavelmente, a corrupção institucionalizada, impede que esses poderes realmente nos representem. Isso tem sido visto no Brasil através dos inúmeros desmandos governamentais que se sucedem. E o que é pior, cada vez mais estarrecedores.
O desencanto da população mais aculturada é total diante de campanhas eleitorais bilionárias carregadas de agressões mútuas e totalmente despidas de plataformas reais para desenvolvimento do país.
Novos congressos vão se sucedendo, sempre com as mesmas figuras ou seus familiares, que, além de não nos representarem, caracterizam oligarquias com o que há de mais atrasado e retrógrado no país.
Os menos abastados, sempre com pouco ou nenhum acesso à cultura, são contemplados com migalhas sociais fazendo-os crer através de propagandas mentirosas, que o céu é o limite.
As diferenças e injustiças sociais são alarmantes, os salários defasados assustadoramente, as políticas de segurança pública ineficazes e o descontrole com o erário público algo nunca visto.
Em junho de 2013 o povo foi às ruas clamando por reformas estruturais básicas e o que vimos foi o imediato sufocar das manifestações através da introdução de baderneiros contratados para disseminar o medo e o caos urbano. Esse sistema velado de truculência, acabou rapidamente com todas as pretensões da sociedade que num momento de expressão cívica, tentou exercer a sua cidadania.
Porque outros países, muito menores e menos ricos que o nosso, conseguem se desenvolver a níveis satisfatórios, apesar das crises mundiais e do sistema perverso das sociedades de consumo?
Porque só nós, após décadas e décadas, não conseguimos resolver problemas básicos tais como o analfabetismo, o caos na saúde, a corrupção desenfreada, o descaso com a coisa pública, a falta de saneamento básico, a violência em todos os níveis, a urbanização das favelas, enfim, a falta de perspectiva de futuro?
Essa sociedade desnorteada, incrédula com seus políticos, com seu sistema de desgoverno é convocada obrigatoriamente ao voto tornando assim maior o seu drama de estar participando de mais uma farsa que consiga tirá-la de estar participando de um grande naufrágio coletivo, com uma grande nave à deriva.
Por favor, não somos débeis mentais, ao menos não minimizem a inteligência do povo brasileiro. Não é preciso ser brilhante para reconhecer que liberdade e igualdade, se tornaram termos retóricos.
O que vemos mesmo é descaso, abandono e uma correria para ver quem se dá melhor no caos.
Difícil entender que, mesmo ansiosos pelo voto, não conseguimos nos entusiasmar pelos candidatos. Todos se nos assemelham a um mesmo discurso falso, autodirigido, regados de aspirações pessoais de poder, sem nenhum vislumbre de mudanças palpáveis, até porque, num mundo globalizado, forças outrora ditas ocultas, não se interessam pelo nosso desenvolvimento. Muito ao contrário, o mundo do poder está carente de novas colônias e com certeza, esse nosso grande berço de riquezas, tem que cumprir sua missão.
É, realmente, em países como o nosso, o voto tem que ser obrigatório, ainda que constitua uma farsa.
Realmente, nesse momento  de incertezas, o único que vem à mente são os versos de um grande jovem compositor brasileiro - “Brasil, mostra a tua cara. Quero ver quem paga para a gente ficar assim".

Nenhum comentário: