Mostre-me um exemplo TRIBUNA DE URUGUAIANA: Ser médico, por Gabriel Novis Neves

15 de out de 2014

Ser médico, por Gabriel Novis Neves

Ser médico  
Com mais de meio século de exercício efetivo da profissão muitos me perguntam o que é ser médico. 
Aos que não se definiram ainda por uma profissão, procuro ser honesto e tento desencorajá-los da ex-profissão liberal e nobre. A medicina humanística desapareceu e deu espaço para a medicina tecnológica. 
O médico da família foi banido pelos planos do Governo e substituído pelos “especialistas”. 
A relação médico-paciente foi substituída pela judicialização da medicina. 
O antigo profissional respeitado e aceito pela sociedade é visto como um mercenário. 
Então, o que atrai tantos jovens a procurar o curso de medicina e colocar o Brasil como o segundo país do mundo em escolas médicas? 
A má qualidade do ensino vem do fundamental ao superior. 
A função precípua do médico atualmente é receitar algum tipo de medicamento, mesmo diante de um simples resfriado. 
Isso irá satisfazer o paciente vitimado pela ideologia da eficiência tecnológica. 
Outra função do médico dos nossos dias é assinar atestado de óbito de uma criança e tentar consolar uma pobre mãe. 
Médico é um cidadão que, após um dificílimo vestibular altamente competitivo, fica seis anos estudando na Universidade e dois a três na Residência de disciplinas básicas. Mais dois se desejar uma especialidade. 
Depois, no mínimo dois anos de mestrado e mais dois de doutorado. 
Assim ainda, aquele que era um profissional respeitado pela sociedade é visto hoje como um profissional de negócios da doença. 
Repito: o que atrai tantos jovens a procurar os cursos de Medicina? Eles já não sabem que a função do médico ficou mercantilizada e avaliada pelo número de exames laboratoriais pedidos, alguns totalmente dispensáveis? 
São geralmente as especialidades médicas que exploram a vaidade humana, ou aquelas dos exames complementares. 
Outra função é a política de acobertar desmandos do governo nessa área tão importante e sensível que é a saúde publica. 
Médico é um profissional que depois de estudar por muitos anos está apto a exercer a sua função através de um concurso público para ganhar ao equivalente a um cobrador de ônibus pertencente a um bom sindicato. 
O médico, de um modo geral, vive ameaçado pelos seus clientes. Ele entra em cirurgias com pacientes acometidos pelas mais diversas doenças infectocontagiosas, com riscos sérios de contaminação, muitas vezes em locais sem as mínimas condições de exercer a sua profissão. 
Além de tudo isso, em sua quase unanimidade, recebe o titulo ‘fantasia’ de profissional com pouca ética, até mesmo pelo órgão que o emprega. 
Sou médico e exerço a minha profissão até hoje porque amo cuidar de seres humanos fragilizados. 
Não há dinheiro no mundo que pague isso. Ser médico foi uma das melhores escolhas que fiz em minha vida, entretanto, não sei se o faria nos dias atuais. 
Valores foram muito mudados, e a humanização do profissional, outrora fundamental, não mais existe. 
Sinal dos tempos... 

Nenhum comentário: