Mostre-me um exemplo TRIBUNA DE URUGUAIANA: O ocidente do Islã, por Gabriel Novis Neves

4 de fev de 2015

O ocidente do Islã, por Gabriel Novis Neves


O ocidente e o Islã 
“Não me importa o que você diz, mas lutarei até o fim de minha vida para que você tenha a liberdade de dizê-lo”. Palavras de um verdadeiro democrata. 
A marcha que levou quatro milhões e meio de pessoas às ruas parisienses em repúdio ao atentado covarde ao jornal francês Charlie Hebdo, contava com a proteção de oitenta e oito mil policiais, tudo em função dos valores da revolução francesa de “liberdade, igualdade e fraternidade”. 
Diante de tantas contradições entre o Estado e a população, os cartunistas que escreviam para esse jornal libertário, contavam apenas com um homem para fazer a segurança, mesmo após terem sofrido atentados anteriores. 
Fato absolutamente inadmissível num Estado que pretende levar a liberdade de expressão às últimas consequências. 
Diante desse pilar fundamental para a população, por que não proteger esses jornalistas mais adequadamente? Esse é apenas um fato que não vi ser comentado. 
A França, mais do que quaisquer outros países da Europa, tem uma formação laica, vê-se, de repente, na convivência com populações religiosas, sejam elas islâmicas, judaicas ou de qualquer outra origem, causa de conflitos frequentes. 
Por outro lado, os seus seis milhões de islâmicos, dentre eles uma grande parcela jovem, já cidadãos franceses, é a que mais detecta a descriminação em que vive, sempre na periferia, com altas taxas de desemprego, menores oportunidades e vendo um Estado que não titubeia ao invadir países como a Líbia, a Síria, a Argélia, o Mali - só para citar os mais importantes. 
Isso sem falar do apoio americano à invasão ao Afeganistão e ao Iraque, um dos maiores massacres de nossos tempos, tudo sob o pretexto pueril de “ocidentalizar” essas culturas. 
As crianças são educadas por seus pais dentro dos preceitos religiosos do islamismo, e como testemunhas visuais dessa dicotomia do Estado francês, dá para entender porque alguns desses jovens são facilmente aliciados por grupos fundamentalistas apenas movidos pela violência e pela intolerância religiosa. 
Isso vem acontecendo quando esses indivíduos, ainda que já cidadãos franceses, mas sem qualquer identidade com o país em que vivem, partam para suas culturas de origem e retornam após grande treinamento bélico  para extravasar o ódio pela pátria  onde nasceram e cresceram. 
Há, portanto, que se atentar que esses tristes episódios de violência extrema tem, além da causa religiosa, uma forte causa política. 
Claro, o poder estabelecido aproveita essas oportunidades para canalizar simpatias, e não foi diferente com o presidente francês que, nesse momento, amarga a maior baixa de popularidade de sua carreira política. 
Líderes mundiais dos diversos países compareceram apenas para reiterar os ideais democráticos. 
Eles apenas se esqueceram de que apenas braços dados não estreitam os laços entre os países, é preciso que novas práticas éticas, morais e sociais sejam verdadeiramente praticadas entre os povos e que o espírito de humanidade  invada os habitantes desse planeta como um todo. 
O comportamento equivocado do Ocidente com as diversas invasões, primeiro no Afeganistão e depois no Iraque, foi o grande estopim para desencadear todo esse mar de ódio no mundo, cujas consequências já parecem imprevisíveis. 
Resta-nos torcer para que figuras lúcidas do poder, com cabeças pensantes, abdiquem de suas vaidades pessoais, de sua sede de domínio, de seus impulsos bélicos e consigam trazer o mundo de volta das trevas  e desses ódios que ora nos aniquilam e nos envergonha. 

Nenhum comentário: