Mostre-me um exemplo TRIBUNA DE URUGUAIANA: O cansaço da espera, por Gabriel Novis Neves

4 de jun de 2015

O cansaço da espera, por Gabriel Novis Neves

O cansaço da espera 
O dia desejado nos obriga a percorrer vários caminhos, alguns mais longos que o esperado. 
Costumamos chamar de espera esse período que, para muitos, causa transtornos, sendo o mais frequente o cansaço mental atingindo o nosso órgão de choque. 
Na velocidade do mundo atual, quando, com um simples toque no teclado de um celular atingimos o outro lado do mundo, o tempo de espera é inconcebível. 
Só mesmo o genial Camões, há quase quinhentos anos, imaginava que um jovem esperaria satisfeito, realizando trabalhos braçais para o seu futuro sogro durante sete anos para se casar. Depois, prorrogava por mais sete anos esse evento, tudo na mais completa harmonia! 
Hoje, presenciamos o cansaço da espera, às vezes, bem curta, mas desejável ao ponto de causar fissuras no mais belo dos relacionamentos. 
Vivemos na geração do agora e do , onde o amanhã é uma hipótese em um mundo tão repleto de tragédias. 
São tantas as informações de catástrofes que recebemos em apenas um dia que o verbo esperar tende a desaparecer dos dicionários. 
Acompanho como médico há mais de meio século o milagre da reprodução humana que, para o seu êxito, o tempo da concepção ao nascimento varia de trinta e oito a quarenta e duas semanas. 
O trabalho de parto normal, sem nenhuma intercorrência, tem o seu tempo previsto em dez horas.
Os jovens do século XXI estão encurtando essa espera fisiológica, solicitando a interrupção da gestação tão logo o feto se torne viável para a vida extrauterina. 
De acordo com a retaguarda da maternidade esse encurtamento pode chegar facilmente a oito semanas. 
Parto normal? Coisa do passado! A espera é longa demais para a ansiedade das parturientes e familiares. 
Daí, a incidência altíssima de cesarianas com data e horário marcados no Brasil, especialmente na rede privada, chegando à média de quase noventa por cento dos nascimentos. 
É bom lembrar que a duração desse procedimento cirúrgico é de apenas quarenta minutos. 
E os casais enamorados? Muitos não suportam a espera de um encontro, mesmo que esse tempo represente apenas algumas semanas. 
Por maior que seja o controle emocional, nível intelectual, amadurecimento, compreensão, amizade, intimidade, sempre surgem sinais e sintomas do cansaço da espera, extravasado em determinadas ocasiões. 
Como é terrível a espera para aqueles que não foram treinados para essa função, como os caçadores, pescadores, jogadores de xadrez e médicos parteiros de antigamente! 
A espera virou sinônimo de sofrimento. É a modernidade.

Nenhum comentário: