Mostre-me um exemplo TRIBUNA DE URUGUAIANA: Colisão, crônica de Valéria del Cueto

22 de jan de 2017

Colisão, crônica de Valéria del Cueto

Colisão

Texto e foto de Valéria del Cueto
Olhando o navio sem conseguir distinguir onde começa a laje e por onde se estende o mar, Pluct Plact, o extraterreste, se prepara para fazer sua primeira visita do ano à sua parceira preferida, a cronista.  Reclusa do outro lado do túnel. Num lugar onde a única visão exterior é a lua que, durante alguns dias do mês, derrama seus raios pelo vão da janela da cela onde está voluntariamente (vamos deixar bem claro), alojada. Cansou do mundo. Simplesmente.

Como você já deve saber, o extraterrestre veio em missão de re-conhecimento e acabou preso na atmosfera, onde se movimenta aos pulos, batendo e rebatendo a lataria cibernética de sua nave na poluição da camada de ozônio. Ela o impede de prosseguir viagem em direção a outros universos e galáxias.

Pode dizer. É muito tempo para ficar sem dar notícias. Mas, pensando bem, foi melhor assim. Melhor porque só fica pior. É cada coisa que acontece...

Como meta de ano novo tinha se proposto a só chegar pela janelinha deslizando pelo brilho do rastro da lua, quando tivesse algo realmente empolgante e alvissaro para narrar para sua querida cronista. Depois do grand finale de 2016, com aquela incrível sequência de partidas, as coisas bem que poderia cair na normalidade.

Opa! Aí, talvez, more o problema. A normalidade anda uma verdadeira aberração. E está sobrando para todos os lados. Não há trégua nessa luta dos rochedos com os mares, males e ondas traiçoeiras. A barra está pesada e o calor também. É tanto que não dá para ir à praia. Os raios UVs estão nas alturas, prometendo derreter e adoecer até as peles mais curtidas. É melhor não facilitar.

O perigo também mora nos bondes. Não dá para andar atoa por aí. Virou moda uma modalidade de “ocupação” de espaços. Primeiro nas praias, com horários mais ou menos definidos. Depois vieram a ampliação dos períodos e o aumento da área de abordagem: ônibus, ruas, estabelecimentos, o metro...

Na outra ponta, a que deveria mostrar que o crime não compensa, reina a barbárie. É guerra de gente grande manipulando e matando gente pequena. E não tem João Batista livre de condenação pelos grupos opositores. De Norte a Nordeste e dali para baixo corre o sangue das penitenciárias superlotadas. Facções lutam por espaços cada vez menos guardados e protegidos pelos responsáveis.

Os próprios e muitos outros sufocados e estrangulados pela falta de pagamento e condições de trabalho. Pezão, no Rio, só não fechou a porta do estado e jogou a chave fora porque falta depenar o pouco que restou da rapação patrocinada por seu guru e colega de primeiro escalão, habitante do Complexo de Bangu, Sérgio Cabral. Ah, Cedae, Cedae. Água é vida e é ela que saíra das mãos do Estado do Rio para pagar a bagaceira que ninguém pretende consertar. Aliviar e olhe lá...  

O que tem visto é inenarrável. Não dá para contar para a amiga tudo de uma vez, na lata. É informação demais.

A ideia era parar por aqui e sobrar uns parágrafos para fazer um carinho na reclusa. Não deu.

Falta lauda para tanta informação nefasta. A última é a queda do avião bimotor que levava o Ministro do Supremo Tribunal Teori Zavascki para Paraty, com o dono de um empreendimento hoteleiro, o piloto e outras duas vítimas. Teori era o relator dos processos relacionados a Lava Jato. No momento, analisava e ia homologar em fevereiro, depois das férias forenses, os acordos de delações premiadas dos executivos da Odebrecht. Elas envolvem mais de uma centena de nomes de políticos dos mais variados matizes...

A região da queda remete ao desparecimento do helicóptero com Ulisses Guimarães, Dona Mora e o casal Severo Gomes. O avião lembra o acidente de Eduardo Campos. Os motivos? 

Poderiam ser associados a várias ocorrências inexplicáveis. De JK a Celso Daniel. Ou ter sido apenas um trágico acidente.

*Valéria del Cueto é jornalista, fotógrafa e gestora de carnaval. Essa crônica faz parte da série “Fábulas Fabulosas”, do SEM   FIM...  delcueto.wordpress.com

Nenhum comentário: