Mostre-me um exemplo TRIBUNA DE URUGUAIANA: INCAR - Instituto de Cardiologia retoma atendimento a pacientes da Fronteira/Uruguaiana

27 de jun de 2017

INCAR - Instituto de Cardiologia retoma atendimento a pacientes da Fronteira/Uruguaiana

Com um médico exclusivo para atender a demanda de pacientes que buscam o Sistema Único de Saúde (SUS) para a resolução de seus problemas cardíacos, o Setor de Alta Complexidade em Cardiologia do Hospital da Santa Casa de Caridade de Uruguaiana voltou na semana passada a disponibilizar a pleno os procedimentos importantes para cobrir as necessidades da região de abrangência da 10ª Coordenadoria Regional de Saúde (CRS).

Com uma demanda reprimida intervenções, o objetivo é colocar em dia a fila de espera existente até o momento. Para que isso ocorra, o HSCC investiu grande para que o processo se desenvolva dentro do cumprimento do contrato de prestação de serviços assinado entre a instituição e o Governo do Estado. Além da contratação do médico cardiovascular Ricardo Riet Vargas Langenegger, a administração e provedoria da Santa Casa foram buscar em Santa Maria uma anestesista com alta reputação no desempenho de sua profissão. A médica Aline Valdameri atualmente é também anestesiologista do Hospital Universitário de Santa Maria e compõe agora a equipe de Uruguaiana. Além dela, para cumprir a carga horária da demanda de atendimentos do setor, deverão ser contratadas outras duas médicas anestesistas.

Atendimentos como revascularização do miocárdio, trocas de válvulas e implantes de marcapasso estão sendo desenvolvidos desde a semana passada no bloco cirúrgico do Hospital com resultados altamente positivos. “Todos os procedimentos estão sendo desenvolvidos com 100% de alcance dos objetivos propostos”, garante Langenegger. Ao todo, foram realizados até agora, cinco procedimentos: duas revascularizações de miocárdio;  uma troca válvula aórtica e duas revascularizações.

O processo de pleno atendimento junto ao Setor de Cardiologia é um dos principais objetivos da atual gestão da Provedoria da Santa Casa de Caridade de Uruguaiana, que, em março deste ano, conseguiu, após longa negociação, a liberação de R$ 44 milhões provenientes do programa “Caixa Hospitais”. Com essa linha de crédito destinada às entidades filantrópicas, que antecipa os recursos a receber do Ministério da Saúde (MS)/Fundo Nacional de Saúde (FNS), referentes aos serviços ambulatoriais e de internações hospitalares prestados ao Sistema Único de Saúde (SUS), a Santa Casa obteve recursos para retomar a prestação de serviços de qualidade à população. “Aproveitamos as vantagens oferecidas, com prazos e taxas especiais para investimentos do valor liberado na melhoria de nosso sistema de atendimento”, argumenta Geovane Cravo, administrador da Santa Casa.

Uma consultoria especializada, contratada pela Fundação Pioneiros (grupo de empresários beneméritos), vem realizando um trabalho complexo a fim de tornar o hospital economicamente viável, reduzindo a dependência da instituição com o SUS. Hoje, a Santa casa ainda detém, de sua receita, percentuais que superam os 90% de repasse do sistema. “Queremos a curto e médio prazo, conseguir reduzir drasticamente esse percentual”, explica Cravo.
Outro avanço obtido nos últimos meses pela Santa Casa de Uruguaiana foi a resolução de um problema histórico: o atraso no pagamento dos salários de seus colaboradores. Com a gestão em dia, o hospital vem pagando antecipadamente seu quadro funcional (700), chegando a quitar 50% de seus salários ainda dentro nos primeiros 20 dias de cada mês. Além de cumprir mensalmente com o pagamento de suas contribuições previdenciárias e trabalhistas.
A aplicação de recursos na área de tecnologia e equipamentos, para atender a população de forma eficiente, também passa pelos planejamentos do grupo de trabalho que presta o serviço ao hospital.
Mesmo com as dificuldades enfrentadas nos últimos anos, a Santa Casa sempre manteve o atendimento no Setor de Cardiologia, através do trabalho do médico Fábio da Mota, que realiza diariamente exames de cateterismo em pacientes de várias cidades da região.
Atualmente, o trabalho desempenhado pelo cardiologista Ricardo Riet Vargas Langenegger também visa evitar o que já se viu muito acontecer na fronteira. Pacientes terem de se deslocar mais de 500 quilômetros para terem seus problemas cardíacos resolvidos. Com a nova sistemática de atendimento essa “Via Crusis” foi superada.



Studio na Colab55

Nenhum comentário: