Mostre-me um exemplo TRIBUNA DE URUGUAIANA: Professorinha, por Gabriel Novis Neves

8 de fev de 2015

Professorinha, por Gabriel Novis Neves

Professorinha 
Dessa maneira carinhosa costumo chamar as professoras da ampla base da pirâmide do nosso sistema de ensino, principalmente aquelas responsáveis pela alfabetização das crianças. 
Delas pouco se fala, e a atenção a elas dispensada é quase nula na sua valorização, aperfeiçoamento e respeitos profissional e humano. 
São verdadeiras educadoras, despojadas, dedicadas, autênticas heroínas anônimas, desempenhando na sociedade um papel dos mais relevantes - que é retirar das trevas da ignorância milhares de crianças, futuro de uma nação. 
É uma arte conseguir fazer uma criança escrever e ler, assim como é um desafio aprender. 
O papel da nossa “professorinha” é fundamental no despertar da curiosidade infantil para a motivação aos primeiros conhecimentos. 
Em país burocrático de falsos valores acadêmicos, essas verdadeiras benfeitoras são totalmente abandonadas pelos responsáveis pelo poder. 
Não à toa nossa educação caminha tão mal avaliada, apesar de termos aumentado o número de professores com graduação e pós-graduação na rede pública de ensino. 
Incentivos ao ensino fundamental, especialmente nos quatro primeiros anos, seria o correto para melhorar a nossa desqualificada educação, quando comparada aos países mais desenvolvidos. 
Alguma valorização salarial existe apenas aos professores do topo da pirâmide acoplados ao ensino superior. 
Esquecemo-nos da nossa defesa e a tragédia dos 7X1 nos perseguirá diante de países como a Alemanha, onde crianças analfabetas não existem e o ensino superior propicia pesquisas e inovações tecnológicas. 
Por essa distorção de não agregar profissionalmente nossas “professorinhas” ao esforço nacional de transformação desta nação, colhemos o produto dessa visão equivocada, que é o analfabeto profissional, atingindo os três níveis do nosso ensino. 
Vamos valorizar as nossas “professorinhas” para evitar a sua extinção dando-lhes melhores condições de trabalho?

Nenhum comentário: