Mostre-me um exemplo TRIBUNA DE URUGUAIANA: Pegou, por Gabriel Novis Neves

30 de mar de 2015

Pegou, por Gabriel Novis Neves



Pegou

A Procuradoria Geral da República (PGR) decidiu investigar também governadores que receberam vultosas “doações” em dinheiro de empreiteiros, prestadores de serviços e empresários para suas campanhas eleitorais.
Os acusados se defendem dizendo que suas contas foram aprovadas, sem reparos, pelos Tribunais Regionais Eleitorais e considerados legais os milhões de reais recebidos espontaneamente.
O mais ingênuo dos brasileiros sabe que essas quantias de recursos “doados” para eleger, de vereador à Presidente da República, são "adiantamentos" que serão ressarcidos no superfaturamento das obras e outros benefícios.
Sendo assim, estão sob suspeita de receberem propinas todos os políticos brasileiros.
Fácil comprovar pelas contas apresentadas pelos candidatos aos Tribunais Regionais Eleitorais, que o grosso desse dinheiro vem de empreiteiras, empresários e homens de negócios.
Essa gente não faz filantropia dilapidando seu patrimônio, apenas firma compromisso de troca de favores.
O ressarcimento dos recursos será feito no superfaturamento das obras e pago com juros e correção monetária.
Está é a regra do jogo eleitoral em vigor, implantado há anos neste país e sempre aperfeiçoado. 
É estarrecedor assistir pela televisão declarações que bilhões de reais foram jogados no esgoto da corrupção nos últimos anos sem nenhuma ação corretiva do poder público.
Precisa-se de muita resistência psicológica para assistir ao grande teatro montado na Comissão Parlamentar de Inquérito da Câmara dos Deputados para ouvir a história inacreditável e inaceitável do assalto à nossa empresa de petróleo.
Tudo terminará tendo um único culpado - o pagador de impostos - que abasteceu os cofres do Tesouro Nacional despertando a cobiça para o delito.
Desvalorização da Petrobras, milhões de desempregados, sucateamento dos serviços essenciais atrelados a uma inflação incontrolável, desestímulo à honestidade, são os frutos colhidos.
O ato da PGR pegou toda a nação de calças nas mãos e, como consequência imediata, a desmoralização do poder público e o enfraquecimento da democracia.
O velho ditado popular “que todos os políticos são farinha do mesmo saco, se fortaleceu”.
A medida jurídica pegou a todos. 

Nenhum comentário: