Mostre-me um exemplo TRIBUNA DE URUGUAIANA: Doença e velhice, por Gabriel Novis Neves

3 de abr de 2015

Doença e velhice, por Gabriel Novis Neves


Doença e velhice 
Existe uma enorme diferença entre ser velho e ser doente. O médico enfrenta esse problema diariamente nos consultórios ao atender pacientes idosos. 
Pessoas que geralmente passaram do meio-dia da vida, apresentam uma lista de queixas e sintomas e reclamam das suas doenças. 
Na maioria das vezes o que eles rotulam como patologias são apenas sintomas da idade avançada. 
Esquecimento, por exemplo. Aquela fuga momentânea da memória que se resolve com o passar de alguns segundos não é doença, e sim, sinal clássico de velhice. 
Artrose dos joelhos é outra manifestação da velhice, respeitando a genética familiar do indivíduo. 
Por infelicidade dos velhinhos eles não são assim compreendidos pela maioria dos nossos médicos, que são jovens especialistas. 
Resultado: deixam o consultório médico  com um catálogo de exames complementares para, posteriormente, confirmar laboratorialmente que estão em boas condições de saúde, porém velhos. 
Guardar um documento e esquecer onde os colocou é a “patologia” mais característica de terceira idade. 
O velho não joga nada fora. Guarda tudo, apenas esquece onde colocou, desencadeando um quadro de intensa ansiedade. 
Daí advém certo grau de descontrole emocional, levando-o ao ídolo dos “milagrosos” fármacos. Com o aumento da expectativa de vida, não sem motivos, os chamados psicotrópicos encabeçam a lista dos medicamentos mais consumidos no mundo terrestre. 
“Para entender um velho, só outro velho”, é uma frase feliz nascida da conversa de três famosos escritores brasileiros, - Luís Fernando Veríssimo, Zuenir Ventura e Ziraldo, todos no grupo dos oitenta anos. 
O diabo é que o velhinho não encontra no mercado médicos também velhinhos para se consultarem. 
O resultado é a “etiqueta” de doente recebida pelos sadios idosos para a sua faixa etária. 
Já dizia Einstein: é mais fácil quebrar um átomo de carbono do que derrubar um preconceito.

Nenhum comentário: