Mostre-me um exemplo TRIBUNA DE URUGUAIANA: Crise nas maternidades, por Gabriel Novis Neves

22 de jun de 2015

Crise nas maternidades, por Gabriel Novis Neves

Crise nas maternidades
O jornal do Conselho Federal de Medicina em sua última publicação mostrou dados alarmantes com relação ao funcionamento das maternidades brasileiras.
“A baixa remuneração paga pelo Sistema Único de Saúde (SUS) pela saúde suplementar tem levado os hospitais a fecharem as suas maternidades, causando desconforto para parturientes e médicos”.
O levantamento mostra que de julho de 2010 a julho de 2014 foram fechados três mil e quinhentos leitos no país - a maioria em hospitais particulares ou filantrópicos conveniados com o SUS.
Segundo o CFM, fecharam nos últimos anos as maternidades São Camilo (SP), Barra D`Or (RJ) e Vita (PR), todas particulares.
A má remuneração, inclusive de hospitais, é uma das causas do fechamento dos leitos.
A situação atual é desumana para médicos e parturientes.
Enquanto isso, nossos dirigentes têm uma visão totalmente distorcida e autoritária sobre o problema.
Certa ocasião, diante de uma greve geral de médicos reivindicando melhores condições de trabalho e salário, o então governador do Ceará, Ciro Gomes, disse aos líderes do movimento não estar preocupado com a demissão em massa dos profissionais de saúde, pois, médico é igual a sal: “branquinho, tem por toda a parte e é barato”.
Recentemente, conversando com uma autoridade deste Estado sobre a dificuldade do serviço público atrair bons profissionais em medicina, este me respondeu que médico existe em excesso e é uma profissão em decadência, podendo ser contratado por salários irrisórios. 
A verdade é que as maternidades continuam fechando ou diminuindo o número de seus leitos. O poder público não prioriza o investimento em saúde. Ficamos, portanto, numa situação difícil!
O grande prejudicado, como sempre, é a população pobre, que fica jogada e morrendo pelos corredores dos poucos hospitais públicos ou conveniados com o SUS.
A rede privada está exaurida!
O melhor é ter o plano de saúde dos privilegiados do poder, que conseguem ser atendidos nos melhores hospitais do Brasil e do exterior bancados com os impostos pagos pela nossa sofrida população.
Haja injustiça social!

Nenhum comentário: