Mostre-me um exemplo TRIBUNA DE URUGUAIANA: TV Deseducativa, por Gabriel Novis Neves

30 de set de 2015

TV Deseducativa, por Gabriel Novis Neves

TV Deseducativa 
A televisão brasileira poderia ser uma grande fonte de disseminação cultural. Mas, infelizmente, está, e sempre esteve, a serviço do grande capital, o que é totalmente aceito pelas leis do mercado. 
Lembrei-me do relato de um amigo. Disse-me ele que, em 1981, durante uma viagem à China, voltou encantado com a programação televisiva, totalmente dedicada à cultura e a ensinamentos no campo da prevenção de doenças. 
Eram horas a fio de música clássica e regional, aulas focando várias matérias, inclusive, o ensino de vários idiomas. 
Ficou impressionado com o número de pessoas cantando em português músicas de Chico Buarque, na época em grande prestígio pelo mundo. 
O resultado está aí, depois de trinta e quatro anos, um país recém-saído da mais absoluta miséria, despontando como a segunda maior economia do mundo. 
Enquanto isso, nós aqui na terrinha, continuamos em níveis insuportáveis de pobreza, de falta de saneamento básico, de saúde, de educação, de violência e de injustiça social. 
As grandes nações não se fazem sozinhas, é necessário que suas lideranças exerçam o seu verdadeiro papel, tal como em uma orquestra, que não funciona harmoniosamente sem a regência de um grande maestro. 
Infelizmente, no Brasil, os incentivos culturais são ínfimos, o que faz com que a população se torne cada vez mais vítima de propagandas enganosas e, portanto, cada vez mais alienada. 
População menos culta e menos educada é sempre mais fácil de ser manipulada. É tudo o que interessa ao poder constituído, que nada faz para mudar esse estado de coisas. 
Os nossos programas de auditório são deprimentes! Exemplo: são recheados de vídeo cassetadas, que nada mais conseguem senão exaltar a baixa autoestima de uma população que, de tão achincalhada, submete a si e a sua família a situações humilhantes, apenas por uma meia dúzia de trocados. 
As emissoras não estão preocupadas com as mensagens subliminares que são passadas desde a infância através dessas práticas pseudodivertidas, tampouco pelo mal que elas podem causar a quem a elas se vendem por absoluta ignorância e ingenuidade. 
Jamais uma criança, na pureza de suas atitudes, poderia se divertir com tombos fabricados e quedas algumas vezes perigosas e que visam apenas a diversão de uma população imbecilizada. 
Há que se assinalar também na mídia televisiva, a falta do tênue limite que separa o erotismo da pornografia. Ele reside, fundamentalmente, no bom gosto. 
O que se tem visto em alguns programas de auditório é exatamente o contrário disso. Letras de músicas de cunho e expressões corporais nitidamente pornográficas são disseminadas para uma plateia formada pelas mais diversas faixas etárias e de maneira agressiva. 
As crianças, em casa, participam desse festival de mau gosto, exibindo também as suas habilidades, cujo conteúdo intui sem entender. 
Com certeza isso é um desserviço à cultura.
Importante frisar que não se trata de um insight liberal ou conservador, mas sim, da responsabilidade das diversas mídias em propagar a ética e o bom gosto. 
Um pouco de requinte não faz mal a ninguém e até embeleza a vida, hipertrofiando, inclusive, o erotismo em detrimento da vulgaridade. 
Que crianças querem formar ao insuflá-las ao baixo nível e à pobreza cultural? Com certeza se transformarão em adultos pouco éticos e despidos de sensibilidade. 
Sem educação, seremos sempre aquele gigante adormecido há cinco séculos.

Nenhum comentário: