Mostre-me um exemplo TRIBUNA DE URUGUAIANA: Conotações do amor, por Gabriel Novis Neves

23 de dez de 2015

Conotações do amor, por Gabriel Novis Neves

Conotações do amor 
Conceito vago, cheio de definições, todos questionáveis e, principalmente, subjetivas.
Até porque, vários são os tipos de amor, e todos muito diferentes de pessoa para pessoa.
Amamos numa dimensão muito própria, raramente compreendida pelo “outro”, que seria a finalidade em si.
A capacidade de doação é específica em cada ser humano e está sujeita a modificações, que dependem da época e dos costumes.
Somos todos imperfeitamente formados por uma mistura de sentimentos, tais como amor, ódio, vingança, raiva, ciúme, vaidade, egoísmo, altruísmo, enfim, a matriz humana não é lá das melhores.
Em alguns de nós predomina os sentimentos positivos, enquanto em outros, dados os seus condicionamentos, os sentimentos negativos.
Excluídos os fatores genéticos, com certeza de real importância, chegamos todos mais ou menos “puros” ao mundo.
As circunstâncias e o meio em que somos criados vão, progressivamente, moldando o nosso caráter e fazendo com que sejamos tão diferentes uns dos outros.
Com relação ao amor como ele se apresenta nos dias atuais, o chamado amor romântico, só passou a existir a partir do século XIX.
Antes disso, as pessoas se uniam através das escolhas familiares, sempre voltadas para possíveis benefícios financeiros.
Não que isso tenha mudado muito, mas já existe uma espécie de escolha do ser amado, ao menos aparentemente.
Começam a ser aceitas escolhas independentemente de raça, religião, cor ou gênero, coisas até então inadmissíveis nos diferentes sistemas sociais.
Quantos sofrimentos a humanidade carregou em função de suas escolhas consideradas inadequadas e, nem por isso, menos intensas?
A história está aí para confirmar os inúmeros casos de pessoas do mais alto nível intelectual vítimas de preconceitos que lesaram irreversivelmente as suas vidas.
Dentre as definições de amor, a que mais consegue me tocar, ainda que sem saber da autoria, é a que diz que: “o amor é o encontro das peles e a troca das fantasias”.
Parece-me perfeita, vendo o lado químico da relação.
Todos os outros tipos de amor são circunstanciais e obedecem a regras rígidas de convivência, com as quais nem sempre concordamos, mas somos obrigados a aceitar pelas normas sociais.
Tenho, por exemplo, amigos que se vangloriam de terem curado suas carências afetivas escolhendo famílias para serem suas - não necessariamente vinculadas a laços sanguíneos.
Fácil ver isso nos inúmeros grupos familiares que, quando reunidos, o que menos conta é o afeto entre eles.
Permanecem juntos, apesar de suas idiossincrasias, apenas para fortalecer aquele clã, num resquício tribal, em que aglomerados são sempre mais fortes que indivíduos isolados.
Depois da revolução industrial, estabeleceram-se leis e princípios para que se mantivesse unido e crescente o patrimônio.
Tomou força as leis de herança, a condenação do adultério, o celibato em algumas religiões, tudo em função de preservar os bens adquiridos por determinado clã durante a vida.
A organização social é basicamente econômica, e não, amorosa, como querem pintar os mais românticos.
Até o século X era permitido o casamento aos padres, quando, a partir de então, a igreja, para proteger o patrimônio por eles deixado, estabeleceu o celibato.
O mesmo com relação ao adultério feminino, demonizado pela possibilidade de transmitir bens de herança a outras proles que não à do clã economicamente organizado.
Tanto que o adultério masculino nunca foi muito levado em conta, a não ser agora, com o aparecimento dos testes de paternidade.
Enfim, tudo que nos gere é a ordem econômica, sendo ela apenas travestida de algum romantismo para que se torne mais fantasiosa.
Quem sabe um dia, talvez em outra galáxia, poderemos nos amar um pouco mais uns aos outros, independentemente das gulas financeiras e da selvageria das competições?
Mais uma utopia... Infelizmente, sem ela, a humanidade não caminha. 

Nenhum comentário: