Mostre-me um exemplo TRIBUNA DE URUGUAIANA: Educação, por Gabriel Novis Neves

26 de jun de 2015

Educação, por Gabriel Novis Neves

Educação
Nossa visão educacional está fora dos tempos atuais.
Educamos nossas crianças visando apenas a prepará-las para o usufruto, em curto prazo, dos lucros nas suas atividades, o que é um equívoco. 
Priorizar os conhecimentos técnicos e colocando em segundo plano os ensinamentos culturais tão importantes para uma carreira profissional de melhor qualidade e solidez, parece não ser o modelo adotado pelos educadores do século XXI. 
Desejamos que os nossos filhos concluam o mais rápido possível os seus cursos profissionalizantes para, no dia seguinte, tentarem qualquer coisa no competitivo mercado de trabalho. 
Em hipótese alguma admitimos um período de não vontade de trabalhar no sistema conhecido para que esse jovem possa esgotar as suas curiosidades sobre os saberes. 
Isto que é um investimento com retornos garantidos, incalculáveis de serem mensurados e que irá diferenciar profissionalmente a excelência da formação para o trabalho. 
A escolha precoce de uma profissão, e dentro dessa uma especialização stricto sensu que proporcione características acadêmicas de melhor aceitação e destaque social, é um erro. 
A proletarização do ensino superior se faz sentir com essa falsa estratégia de chegar precocemente ao mercado para ganhos com tetos limitados para quem ingressa sem o plus cultural do entendimento mais abrangente. 
As distorções hoje são tão gritantes que muitos jovens bem estruturados na universalidade do conhecimento preferem passar longe do ensino tradicional. 
Necessitamos dar ênfase especial à formação cultural dos nossos estudantes, estimulando-os precocemente a pensar e a buscar novas habilidades, impedindo-os de ingressarem no perigoso grupo dos frequentadores dos profissionais com desvios ocupacionais para baixo. 
A tradicional formação acadêmica nos fornece bons técnicos quando alcança seus objetivos educacionais, porém, desperdiçamos muitos cérebros necessários à humanidade.

Nenhum comentário: