Mostre-me um exemplo TRIBUNA DE URUGUAIANA

26 de fev de 2015

Vereadores devem acabar com recesso parlamentar de 90 dias – Uruguaiana.

O período de recesso parlamentar da Câmara Municipal de será revisto pelos vereadores. Na terça-feira, dia 24/02, a presidente, vereadora Jussara Osório, esteve reunida para propor projeto que reduzirá o tempo de suspensão dos trabalhos de plenário de Casa Legislativa com os vereadores Marcelo Lemos (PDT), Rafael Alves (SDD), Irani Fernandes (PP) e Carlos Eduardo Alves (PMDB) no gabinete da presidência. A iniciativa depende de mudança na Lei Orgânica do Município e no Regimento Interno da Casa Legislativa. Dessa forma, a proposta alinhará a Legislação Municipal que, desde 1990, determina os meses de recesso da Câmara, à Constituição Federal. De acordo com a presidente, a ação integra as primeiras iniciativas da gestão da Mesa Diretora/2015. O projeto será amplamente debatido com todos os vereadores a partir de segunda-feira, dia 02/03, na retomada dos trabalhos ordinários da Câmara neste ano, com sessões ordinárias às terças e quintas-feiras, às 9h30min. 

Semana da Paz é celebrada em Uruguaiana.

A passagem da 19ª Semana da Paz será registrada na Câmara Municipal de Uruguaiana através de sessão solene. O evento acontece nesta quinta-feira, dia 26/02, no Plenário do Palácio Borges de Medeiros. Na ocasião serão prestadas homenagens aos cidadãos de destacada atuação de incentivo à paz no município. Indicado pela Comissão Organizadora, receberá a Medalha e Diploma Mensageiro da Paz, José Ricardo Pavin. O Diploma Mensageiro da Paz será conferido in memorian a Juraci Luques Jacques, por proposição da Mesa Diretora da Câmara, e o Diploma Mensageiro da Paz será entregue por indicação da Josefina Soares a Carlos Augusto Trindade Lopes.

Audiências Públicas de Prestação de Contas – Uruguaiana.

A Câmara Municipal de Uruguaiana, promoverá duas audiências públicas na sexta-feira, dia 27/02, através de Comissões Técnicas da Casa com o intuito de prestar contas e garantir transparência nas finanças públicas. A Comissão de Finanças e Orçamento promove, a partir das 10h, a apresentação e a avaliação do cumprimento das metas fiscais do 3º quadrimestre de 2014. Nela serão esclarecidos os gastos, o planejamento e a execução das finanças do município de setembro e dezembro de 2014. A prestação de contas da gestão do Sistema Único de Saúde (SUS) do 3º quadrimestre de 2014 será demonstrada a partir das 14h pelo Poder Executivo no plenário da Câmara. O evento é promovido pela Comissão de Serviços Municipais, Saúde, Educação, Segurança Pública, Desenvolvimento Econômico e Mercosul.

Legislativo recebe presidente do Sindsaúde - Uruguaiana.

Na terça-feira, dia 24/02, o presidente do SindSaúde, Renato Corrêa, apresentou as principais preocupações do Sindicato à presidente, vereadora Jussara Osório (PSDB) e vereadores Marcelo Lemos (PDT) e Rafael Alves (SDD). Entre elas estão as dificuldades do Hospital Santa Casa de Uruguaiana para executar o pagamento dos servidores e as providências do Poder Público sobre o depósito no antigo prédio da Cooperativa Agrícola Uruguaianenses (Caul) que acumulava medicamentos. Na ocasião, foi garantido o pleito do Legislativo em favor dos temas, sendo que as reivindicações foram repassadas a 10ª Coordenadoria Regional de Saúde.

Filme antigo, por Gabriel Novis Neves

Há anos assistimos cenas policiais de prisões de marginais das leis muito semelhantes às atuais, porém, com algumas diferenças.
Antigamente essas operações policiais produziam uma comoção na cidade com seus “heróis” se autoproclamando como únicos defensores intransigentes da ética e da moral, pensando em benefícios próprios em um breve futuro. 
Atualmente as cinematográficas prisões de alguns não mexem com o emocional nem com a autoestima das pessoas, pois todas acreditam na impunidade, hoje marca nacional. 
Outro fato importante era que todo o mal ficava centrado oficialmente em apenas um cidadão, na época paparicado por políticos, autoridades e grande parte do café society tupiniquim pela grandiosidade das suas generosidades. 
No caso em discussão, fica explícito a promiscuidade entre corruptores (agentes públicos) e corruptos (os executivos da malandragem). 
A população, descrente pelas duras penas jurídicas somente concedidas aos pobres, a tudo assiste indiferente. 
Não existe mais discrição para atos ilícitos, pois a rede de beneficiários é extensa e com ramificações em todos os segmentos do poder. 
Quando a mais poderosa rede de televisão do Brasil anuncia que vai denunciar casos crônicos de corrupção, o poder constituído resolve tomar alguma providência para amortecer o impacto da notícia no cenário nacional.  
O pagador de impostos, o maior prejudicado pelos atos de vandalismo ao erário público, continua acreditando na impunidade dos grandes. 
Esse antigo mal, que atingiu a maior empresa brasileira de petróleo, espalhou os seus métodos de conquista do poder pelo dinheiro sujo da corrupção a todos os Estados. 
As providências tomadas contra essas indignidades são como fogos de artifício na passagem do ano, efêmeras. 
Mesmo sob investigação, o roubo continua institucionalizado em todos os segmentos da nossa sociedade. 
Enquanto isso, nossos presídios continuam superlotados, funcionando em condições sub-humanas e encarcerando apenas pobres, negros e ladrões de galinha. 
Queremos assistir filmes onde no final o bem vença o mal, e não, onde os "heróis" dos grandes assaltos às nossas instituições são libertados. 
Com essa política de governo vigente seremos sempre um país do futuro. 
Cadeia para corruptores e corruptos, ou permaneceremos para sempre no rol das nações mais atrasadas do mundo! 
Filme novo, minha gente!

25 de fev de 2015

Ditadura do corpo, por Gabriel Novis Neves

Ditadura do corpo 
O grande pintor belga Rubens mal poderia imaginar em 1639, que uma de suas maiores obras, “As Três Graças”, quatro séculos depois, viria a ser criticada pela imperfeição das formas. 
Os três belos nus eram a representação das virtudes, como a Beleza, a Caridade e o Amor. 
Na mitologia grega “as Três Graças” representavam as deusas da Beleza, da Sedução, da Fertilidade, da Natureza e da Dança. 
Nos dias atuais - em que as pessoas não mais se permitem ser o que são - seus nus, venerado pela antiguidade, são  a visão que aterroriza as mulheres, a da celulite. 
Outros pintores da época fizeram quadros semelhantes, sempre focados na emoção que eles causavam pela simples contemplação. 
Pessoas absolutamente individualizadas exibiam,  despreocupadas, suas formas, quer nas alcovas, quer nos lugares públicos, totalmente livres de qualquer patrulhamento. 
Com o aparecimento da sociedade de consumo, logo a estética foi vista como um grande filão para altos lucros. 
Práticas paradoxais de comportamento foram rapidamente absorvidas pela sociedade e a humanidade foi se transformando num grande objeto a ser consumido. 
Primeiro passo seria estabelecer padrões estéticos únicos, uniformizando a coletividade. 
Surgiu assim a proliferação intensa das academias, prometendo a todos, em todas as idades, corpos esculturais, ainda que, em muitas vezes, em detrimento da capacidade articular  de cada um. 
Lucros astronômicos, levando consigo a indústria dos acessórios esportivos. 
Simultaneamente, aumento do número de programas televisivos de culinária, incentivando  o gosto por alimentação requintada  e a frequência a restaurantes grifados dirigidos por grandes chefes. 
Exacerba-se, não mais a alimentação saudável, mas sim o requinte no comer e no beber. 
Por outro lado, a obesidade apresenta níveis crescentes em todo mundo, principalmente nas classes menos abastadas que, por falta de tempo e dinheiro, fazem uso mais frequente da chamada “fast food”. 
Festas são o que há de melhor para a constatação desse exército de pessoas - se mulheres, com cabelos longos lisos, cílios postiços, seios siliconados e corpos anoréxicos vestidos cada vez mais sumariamente. 
A singularidade não mais existe nesse cardápio. 
Pelo contrário, o ser diferente passa a ser estigmatizado. 
Quem não se submete ao mercado é descriminado e vítima de preconceitos. Isso inclusive se reflete nas oportunidades de trabalho e nos meios sociais que rejeitam os que não pertencem aos padrões pré-estabelecidos. 
A velhice tonou-se inaceitável, já que o mercado dirigido a essa faixa percebeu que esse nicho só faz aumentar, tendo em vista os avanços tecnológicos. 
A ânsia de nos tornarmos clones de nós mesmos através de plásticas e tratamentos dermatológicos inovadores, tem sido a parte melancólica dessa nova cultura que vem transformando velhos, e outros nem tanto, em deformados pela obsessão da juventude eterna. 
O fato é que a humanidade foi se anestesiando com o tempo no tocante a valores, permanecendo apenas o que dela pode ser contabilizado em termos de lucro. 
As leis do capitalismo selvagem não vieram para brincar, e fabricar mentes programadas é uma das metas a ser alcançada. 
Técnicas subliminares de propaganda lavam em pouco tempo mentes até razoavelmente esclarecidas. 
Esses são os nossos tempos. 

23 de fev de 2015

Rico pobre, por Gabriel Novis Neves


Rico pobre 
Personalidade anal retentiva costuma ser o que há de mais repugnante na dita espécie humana. 
Segundo Freud, o pai da psicanálise, conflitos importantes ocorridos durante a primeira infância seriam os grandes responsáveis pela formação desse tipo de personalidade, conhecida popularmente como avarenta. 
É muito frequente encontrarmos pessoas superabastadas que vivem e se comportam muito abaixo do seu poder aquisitivo, ensimesmados numa vida precária e sem brilho. 
Por desconhecer a capacidade de doação, oferecem a amigos e parentes uma vida de privações, sempre visando o aumento de sua riqueza. 
Enclausurados na sua miséria mental os avaros afastam gradativamente todos os circunstantes, que apenas se beneficiarão quando a lei da natureza decidir pelo seu desaparecimento. 
Impossibilitados, em vida, de qualquer tipo de grandeza, encaramujam-se na sua fortuna, incapazes de propiciar qualquer tipo de alegria e conforto ao outro, e principalmente a si mesmo. 
Acumuladores que são, passam a vida adorando o “deus Dinheiro”, e não as infindas benesses que esse dinheiro pode comprar. 
Esses pobres de alma, assim como os psicopatas, são despidos de sentimento de culpa e não percebem o desencanto que provocam à sua volta. 
Muito pelo contrário, costumam se afogar nas suas próprias mesquinharias, daí não saindo para desfrutar da alegria da doação, frequentemente muito maior para quem a faz do que para quem a recebe. 
Encontramos esse tipo de gente por toda parte que, de tão miseráveis no seu modo de viver, se boicotam até em pequenos mimos, tais como: viagens confortáveis, restaurantes de boa qualidade, boas bebidas, casas aconchegantes, muitos amigos com os quais possam desfrutar a sua qualidade de vida e mais um sem número de coisas que um bom poder aquisitivo permite. 
Optam, entretanto, para serem os defuntos mais ricos e menos amados do cemitério e, por isso mesmo, muito comemorado em sua viagem final rumo ao nada... 
Felizmente, em contrapartida, existem os pobres ricos que, pela sua grandeza, generosidade e sabedoria, fazem da vida uma festa, usufruindo da verdadeira dádiva do existir. 

22 de fev de 2015

Oportunidade de Estágio na Prefeitura – Uruguaiana.

O Setor de Gestão de Pessoas da Prefeitura Municipal de Uruguaiana está abrindo diversas vagas para estágio. Os candidatos podem se inscrever em vagas para ensino médio e/ou formação superior, com vagas para múltiplas formações, é obrigatório trazer o atestado de frequência. Os currículos podem ser entregues entre às 9h e 11h, de segundas às sextas-feiras, no segundo andar da Prefeitura, sala ao final do corredor, onde funciona o Setor de Gestão de Pessoas, coordenado pela psicóloga Patricia Kraft Hoewell.

Mostra de Samba no Parcão - Uruguaiana.

Neste domingo, dia 22 de fevereiro de 2015, a partir das 19h, na Concha Acústica César Passarinho, no Parque D. Pedro II, acontecerá a Mostra de Samba 2015, evento promovido pela Comissão Municipal de Carnaval, com apoio da Prefeitura Municipal de Uruguaiana. Entrada franca.

cultura, por Gabriel Novis Neves

Cultura 
Certa ocasião, uma jovem jornalista,  impressionada com a conquista da Universidade Federal de Mato Grasso (UFMT) ao implantar no curto espaço de dez anos um sólido programa cultural, me provocou para que definisse o que é cultura.
Museu Rondon, Museu de Arte e Cultura Popular, Atelier Livre, Teatro, Biblioteca, Editora, Gráfica, TV, Coral, Orquestra Sinfônica, Escola de Samba, Núcleo de Documentação Histórica e Informação Regional, Zoológico, foram atividades culturais materializadas por um grupo de jovens sonhadores. 
Respondi a pergunta com a definição de um pensador inglês: “Cultura é grosseiramente qualquer coisa que nós fazemos e os macacos não fazem”.
Desde que nascemos, vivemos a cultura da nossa casa, do ambiente em que somos educados, adquirindo e desenvolvendo valores que nos acompanharão pelo resto da nossa vida.
Cultura também é vida.
O mais importante é entendê-la nas suas mais diversas formas. 
Esperamos da cultura sempre mais benefícios para a qualidade da nossa vida e esquecemos o quanto ela é importante no processo de formação dos cidadãos. 
Relacionar-se com outras culturas faz bem à nossa saúde emocional e orgânica.
A curiosidade, que é um bem cultural, jamais poderá nos abandonar. Quando isso acontecer, segundo Paulo Freire, chegaremos à velhice sem a nossa identidade. 
O mundo da cultura ainda é pouco explorado por nós. Não temos intimidade com esse bem que deveria ser de todos.
A cultura do belo, raramente cultivada, está presente quando nos encantamos com a natureza e seus habitantes pássaros, flores, rios, cachoeiras, sol e lua.
Entretanto, ficamos presas fáceis do consumismo, da violência, da grosseria, dos maus tratos e principalmente da burrice. 
Felizes os povos que preservam a sua cultura!